DIFERENÇA NO MERCADO, PORTA CRACHÁ ESPECIAL INOVA EM PROTEÇÃO DE DADOS DO USUÁRIO

0
145

Inventor Davi Passos cria modelo de porta crachá que pode ser usado com segurança inclusive fora do expediente

Com o advento da internet e da globalização digital vieram, sim, inúmeras vantagens; porém, a preocupação com a segurança, principalmente no que tange a facilidade de se realizar transações e armadilhas com os dados das pessoas, aumentou significativamente e torna-se uma problemática constante.

O crachá corporativo contém os dados pessoais e imagens de seus usuários e é um item que possui um grau de alto grau de exposição, levando, muitas vezes, quem o usa a ocultá-lo enquanto fora do ambiente empresarial. Pensando nisso, o inventor e servidor público Davi Passos chegou com uma solução prática e criativa para essa questão, o Porta Crachá Especial: podendo ser utilizado também fora do serviço (com segurança).

A criação de Davi Passos é um diferencial no mercado que busca através da simplicidade e comodidade, fazer com que os trabalhadores usufruam de mais segurança quando estão fora de suas empresas e escritórios, tendo seus dados ocultos pelo mecanismo inovador do produto, que possui uma capa protetora móvel para as frente do crachá.

O invento, além de interessante e funcional, tem um potencial enorme de mercado, e Davi tem a intenção de licenciar seu projeto. O Porta Crachá Especial: podendo ser usado também fora do serviço (com segurança) é inteira e totalmente propriedade de Davi Passos e, com certeza, vale a pena ser destacado como um projeto inovador e único.

Sobre a ANI – A Associação Nacional dos Inventores foi criada com o intuito de divulgar as invenções brasileiras a fim de encontrar parceiros para colocar as ideias no mercado. Os inventores recebem todo o apoio comercial e jurídico na hora de registrar suas invenções e é claro, na hora de negociá-las com possíveis empresas e investidores. A empresa atua há mais de 30 anos no mercado, fazendo o trabalho de intermediação, na hora de registrar e na hora de negociar as inovações criadas por brasileiros.

DEIXE SEU COMENTÁRIO